Home | A Clínica | Dra. Juliana Zochetti | Profissionais | Especialidades | Parcerias | Artigos | Eventos | Contato

Artigos

Exercício Físico e Câncer

Todos nós conhecemos os benefícios da atividade/exercício físico, dos quais temos muitas vantagens nos dia a dia; por exemplo, a diminuição de peso, o aumento da resistência muscular e aeróbia, a melhora da locomoção motora, uma melhor coordenação motora.

Mas e quando somos acometidos por alguma doença que prejudica o nosso sistema imunológico de uma maneira tão grave a ponto de consumir tanta energia do nosso organismo como se estivéssemos em constante exercício/ atividade física extremos, nos trazendo um cansaço físico grande? Devemos praticar algum exercício/atividade física? Devemos parar de vez? Acredito que parar tudo não vá nos ajudar, mas que sim a atividade/exercício físico moderados, respeitando os limites do nosso corpo e da nossa condição física possa nos ajudar a recuperar melhor nossa condição ou conseguir suportar as dificuldades inerentes ao tratamento, mesmo que esta doença seja o Câncer. Temos muitos artigos científicos de pesquisas que mostram a atividade/exercício físico benéficos não só na prevenção do Câncer, mas os seus benefícios também durante e após o tratamento.

Mas vamos entender um pouquinho sobre o Câncer.

Os Linfomas são tumores que se originam de uma mutação do DNA (erro) de um linfócito (célula do sistema linfático – imunológico).

Leucemia que é uma neoplasia (crescimento anormal de células novas) que se inicia na medula óssea e atinge também o sangue.

Tumor Benigno: crescimento anormal de células sem prognóstico imediato de metástase.

Tumor Maligno: denominado também Cancro, é o crescimento anormal de células com prognóstico de metástase, ou seja, as neoplasias (crescimentos anormais das células) acontecem em mais de um órgão sem que este tenha ligação, ou mesmo atinge mais de uma parte do mesmo órgão.

Os pacientes que adquirem estes tumores ou neoplasias desenvolvem um quadro de catabolismo (metabolismo de nutrientes ingeridos pelo organismo para se transformar em energia) muito intenso que pode resultar em um quadro de fadiga crônica, caquexia (má condição corporal com perda de peso, perda de massa muscular, fadiga, falta de apetite, etc.) entre outras complicações.

Para o combate o Câncer são utilizados os tratamentos: quimioterapia, cirurgia, radioterapia, hormônoterapia e imunoterapia. E agora acho q você está se perguntando como o exercício físico se encaixa nisto?

O exercício/atividade física estão ligados ao Câncer, desde sua prevenção ao seu tratamento. Pois um organismo com aptidão física elevada, bem como a aptidão aeróbia tem menos risco do surgimento do Câncer do que um organismo exposto à dieta rica em gordura, tabagismo, consumo de álcool, frequente exposição à irradiação, poluição ambiental, sedentarismo e doenças crônicas (obesidades, diabetes, etc.).

Durante o tratamento os resultados da atividade física também são positivos, contudo deve ser observado a dosagem nas variáveis de frequência, intensidade, duração e tipo de atividade/exercício físico evitando a alta intensidade, pois nestas o catabolismo é mais intenso e podemos assim prejudicar o tratamento. Em doses moderadas contribuí para que o funcionamento de células NK (natural killer) que fazem parte do sistema imunológico e combatem as células afetadas pelo Câncer tenha mais eficácia. A atividade/exercício físico, tem muita importância após as intervenções cirúrgicas quanto à recuperação da mobilidade e amplitude dos movimentos, prevenindo ou minimizando a atrofia muscular e limitações das articulações e na tentativa da redução da possibilidade do surgimento de linfedemas.

Além disso, a atividade/exercício físico, contribuem para o equilíbrio do metabolismo, reduzindo o risco do surgimento de doenças crônicas, sendo uma importante ferramenta no controle de peso, regulação de hormônios endógenos (produzidos dentro do corpo durante a atividade física), na melhora da captação e aproveitamento de energias entre outros.
No caso da fadiga a atividade/exercício físico, tem importância quanto ao controle desta, pois atua diretamente na qualidade de vida e bem estar do paciente, pois contribui para a manutenção de força muscular, que pode ser afetada principalmente em indivíduos hospitalizados, mantendo ou aumentando os níveis de energia.

Os pacientes com Câncer chegam também a sentir além da fadiga e perda da força muscular, a perda de apetite, náuseas (muitas vezes junto ao tratamento) depressão etc. A atividade/exercício físico contribui para a melhora do apetite, na autoestima e auto percepção, aumento no consumo de oxigênio, redução de náuseas, depressão e fadiga, melhorando a capacidade funcional do indivíduo bem como seu sistema imunológico.

Portanto a atividade/exercício físico devem ser bem orientados e estar de acordo com as possibilidades, físicas e fisiológicas do paciente. Deve ser utilizada a intensidade de leve a moderado dependendo dessas condições,uma das atividades indicadas nas pesquisas foram as atividades/exercícios aeróbios que mostraram mais resultados benéficos para os indivíduos com Câncer. Mas deve-ser observar as condições que se encontra o paciente.

Tenham uma vida mais ativa e saudável, mantendo a atividade/exercício físico como prevenção, assim como uma alimentação adequada e hábitos de vida saudáveis. E acaso ocorra alguma doença pratique a atividade física como auxílio na reabilitação, mas de uma maneira bem orientada e em conjunto equipe médica e educador físico, bem como nutricionista.

Cuide-se e tenha corpo e mente saudáveis.


Rua Manoel Bandeira, 190, Vila Liberdade, Jundiaí - SP | Fones: 11 2816-3316 | 3963-2025